sábado, 14 de julho de 2018

COPA DO MUNDO - RÚSSIA 2018





 




DIA 15 DE JULHO - FINAL



 



FRANÇA  4  X  2  CROÁCIA

CAMPEÃO DO MUNDO: FRANÇA (BI)
VICE-CAMPEÃO: CROÁCIA

Partida monumental. Deu dignidade a um campeonato de futebol. Venceu a seriedade, o amor, o patriotismo, o melhor futebol do mundo. Sirva de lição às demais nações do mundo.
Parabéns à Rússia pela organização, segurança e ordem.




SOMOS TODOS CROATAS. SOMOS TODOS FRANCESES. SOMOS TODOS CAMPEÕES.
Geniberto Paiva Campos – do Coletivo Lampião – Brasília 12 de julho, 2018

O Futebol assume o seu lugar de esporte universal.
E propicia lições aparentemente singelas, mas de profundo alcance, de integração de todos os povos, de todas as etnias, de todas as crenças, de todos os quadrantes.
O Campeonato Mundial de Futebol de 2018, organizado pela Rússia, que chega ao seu final no próximo domingo, 15 de julho, talvez venha a representar um marco significativo, não apenas na evolução da prática do esporte, suas táticas e suas regras, da introdução provavelmente definitiva da Tecnologia na decisão dos juízes. Vai mais além.
Mesmo para o observador não muito atento ao entorno do esporte, vão se tornando cada vez mais claras as consequências da Globalização. Para muitos, algo restrito à área da Economia. Ou, vá lá, da Geopolítica. Chegou a hora e a vez do Futebol.
Ao que mostra o desenrolar e o desfecho da Copa do Mundo de 2018, o futebol não é mais uma competição restrita à Europa Ocidental e à América do Sul. Onde os outros países eram meros figurantes. Quase obrigatórios.
Alguma coisa mudou. E o processo de Globalização ocupa o seu lugar nessa mudança.
O surgimento dos centros importadores de craques da pelota provocou um intenso intercâmbio entre os mais diversos países. No caso do Futebol o mundo globalizado tornou-se ainda menor. Mais restrito.
E o Mercado, ávido de talentos, passou a adquiri-los em seu nascedouro, com a aquisição precoce de jogadores adolescentes, ainda em formação. Futuros craques, com certeza.
Como resultado, o Futebol firma-se, cada vez mais, como paixão incontida. Estádios cheios, torcidas vibrantes.  Retorno financeiro. Um espetáculo para todas as idades, todas a gerações. Todos as gentes, todos os povos. Perfeita integração entre jogadores e torcida.
A cada quatro anos organiza-se a competição mundial. Na bolsa de apostas, os favoritos eram, sempre, os campeões de outrora: europeus e latino-americanos. Isso, agora, mudou. O Futebol paixão nacional ganhou o mundo. E continuou paixão. E guardou a sua pureza. Quase ingênua, em sua aparência.
A Copa da Rússia está comprovando algo que, há tempos, se suspeitava: o futebol agrega, o futebol une. O futebol quebra barreiras e preconceitos.
Tentativas de “politizar” o nobre esporte bretão não conseguiram, ainda, atingir os seus objetivos. Claro, o esporte, como toda atividade humana, tem o seu viés político.
Mas não exatamente da forma como alguns imaginam.
Voltando à Copa da Rússia: a maioria dos países participantes se apresentou com “times mistos”, em sua composição étnica. Negros, brancos, amarelos, árabes, judeus.
Todas as etnias estão ali representadas, irmanadas, cobertas pelas cores da camisa, pelo hino, pela bandeira. Pela incontida euforia na comemoração de belas jogadas e vitórias.
E, finalmente, tiraram dos juízes a última e decisiva palavra sobe lances duvidosos. Eles aprendem a voltar atrás das suas decisões equivocadas. (Ah, que belo exemplo nos trouxe a tecnologia...).
Não importa quem seja, com justiça, o campeão da Copa de 2018. O grande vencedor foi o Futebol e, por tabela, o processo civilizatório.
O Futebol vai aos poucos deixando de ser “a pátria de chuteiras”. É um jogo. Uma competição saudável e leal, ganha quem souber jogar melhor. Cujos técnicos saibam dispor de forma mais eficiente os seus craques em campo.
Por alguma razão, lembrei-me da crônica, quase cinquentenária, do poeta Drummond, sobre Leila Diniz, a moça brasileira que “sem discurso nem requerimento soltou as mulheres (...) presas ao tronco de uma especial escravidão”.
Que o Futebol, sem discurso nem requerimento, cumpra o seu papel de integração, na construção permanente de um mundo cada vez mais solidário, humano, sem preconceitos e livre.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

COPA DO MUNDO - RÚSSIA - 2018




 


DIA 14 DE JULHO - 3º E 4º LUGARES


 



BÉLGICA  2   X0   INGLATERRA

3º LUGAR: BÉLGICA
4º LUGAR: INGLATERRA







ALGUÉM SONHA


a vida é sonho
e os sonhos sonhos são
mas se a vida é sonho
e sonhar viver é preciso
como navegar sonhos
neste mar de sonhos
onde alguém nos sonha?

 
 

                        Horácio Paiva 

quarta-feira, 11 de julho de 2018

COPA DO MUNDO - RÚSSIA 2018

SEMIFINAIS



DIA 11 DE JULHO





 



CROÁCIA   2  X  1   INGLATERRA





19 de julho, 2018 Carlos Roberto de Miranda Gomes lança livro sobre confrarias de Natal


No Brasil, no início do século XX, as livrarias do entorno da Avenida Central com a Rua do Ouvidor, no Rio de Janeiro, eram um dos pontos mais procurados pelos intelectuais da época e se tornaram reduto de confrarias. Em Natal não foi diferente, tendo surgido suas primeiras confrarias a partir dos anos 40, com destaque para o “Clube dos Inocentes”, liderado por intelectuais como o Professor José Saturnino e o ilustre Câmara Cascudo.
E são as histórias marcantes de famosas confrarias de Natal que serão contadas no livro “As Confrarias e o Tempo” do jurista, escritor e poeta Carlos Roberto de Miranda Gomes, membro honorário vitalício do Conselho Seccional da OAB/RN. A edição será lançada no dia 19 de julho, às 19h, na sede do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, na Cidade Alta. “As Confrarias e o Tempo” é um lançamento do Sebo Vermelho com o apoio do IHGRN.
“No livro conto a história de algumas confrarias famosas. A Filopança, por exemplo, tem um nome curioso. Filo vem de Filosofia e pança é de encher a cara. Era uma confraria só de homens. Foram muitos momentos marcantes”, relembra em tom saudoso.
Mas uma das confrarias mais especiais para o ilustre norte-riograndense é a Confraria da Livraria Universitária, por ser a primeira a ser frequentada pelo então estudante universitário. A Confraria era dividida em dois segmentos: Alto Clero, no anexo entrecortado pelo Beco da Lama, onde compareciam personalidades da sociedade potiguar mais experientes, como Diógenes da Cunha Lima, João Medeiros Filho e outros egressos da Confraria do Clube dos Inocentes. E o Baixo Clero, segmento formado por profissionais mais novos, como médicos, advogados, dentistas e poetas. A Confraria funcionava nas manhãs dos sábados, no primeiro andar da Livraria da Rio Branco.
Após a Confraria da Livraria Universitária, surgiu a Confraria da Livraria Poti e há cinco anos, Carlos Roberto de Miranda Gomes frequenta a Confraria do Café Avenida, no Tirol. Entre as discussões promovidas pelos amigos figuram assuntos como a terceira guerra mundial, sugestões de nomes para o próximo papa e temáticas controversas.
E são todas estas histórias que serão contadas em detalhes nesta edição especial, que também possui um vasto conteúdo de fotos e ilustração da capa feita pelo neto do imortal potiguar, o designer Carlos Victor. “Este livro é uma semente que quero plantar, mas sem muitas pretensões. Gosto de espontaneidade e quero que este lançamento seja assim. Será uma noite como uma autêntica confraria. Cafezinho, bons papos e a presença dos amigos, acadêmicos e da família”, ressaltou Carlos Gomes.
NOVO LANÇAMENTO
Carlos Roberto de Miranda Gomes é “imortal” na Academia Norte-Riograndense de Letras, Academia Macaibense de Letras e Academia Cearamirinense de Letras e Artes e já lançou mais de 15 livros da área jurídica, além de obras como romances e ficção. O próximo lançamento será o romance “Amor de Outono”.



terça-feira, 10 de julho de 2018

COPA DO MUNDO - RÚSSIA 2018

SEMIFINAIS



DIA 10 DE JULHO




 


FRANÇA   1   X  0   BÉLGICA



segunda-feira, 9 de julho de 2018

TEMPO DE INSEGURANÇA





          Sem adentrar no âmago do assunto, por desconhecimento de detalhes, externo a minha preocupação com a "insegurança jurídica" que grassa no Brasil nos dias presentes.
       Julgamentos estranhos, decisões estapafúrdias e irracionalidade das facções em conflito, levam a perplexidade ao povo brasileiro, às vésperas de um pleito eleitoral, dando a impressão de que a arma democrática do voto não será mais vez utilizada.
     Continua o equívoco de que tanto nos falava o saudoso Professor Mário Moacyr Porto: "O brasileiro não luta em torno de ideias, mas de pessoas".
      Tive a oportunidade de, no mês passado, deixar uma indagação: "Precipitação das denúncias ou falência do Poder Judiciário"!
Permaneço insistindo nesse aspecto digno de profunda meditação. Ao dizer isso quero me referir ao cipoal de decisões deste domingo passado, quando do habeas corpus para a soltura do ex-Presidente Lula - assunto ainda sem solução definitiva. Está inaugurada a "Era da Incerteza", como resultado da dúvida cruel:   ou está ocorrendo precipitação no oferecimento de denúncias contra os "medalhões" da República ou o Poder Judiciário está em fase falimentar.
Para agravar o psicológico do brasileiro, fomos desclassificados da Copa da Rússia e essa derrota, em meu sentir, foi o resultado da ausência de motivação oferecida pelo País aos seus atletas em razão da incerteza, da ingovernabilidade e falta de perspectiva de solução a curto ou médio prazo.
É preciso uma reflexão das Instituições e das pessoas e, em seguida, o início das reformas de base, tanto para a recuperação econômico-financeira do Estado quanto, principalmente, um retorno da ética para que possamos restaurar a esperança em dias melhores. 
Vale repetir a advertência: "a falha da Justiça pode induzir o homem a buscá-la pelas próprias mãos".

sábado, 7 de julho de 2018



A FAMIGERADA LEI DA FUGA

Valério Mesquita*                                                                                                       

Chegou Abílio Frota. Veio passar os festejos juninos em Macaíba e visitar o seu irmão Pierre. Achou o “mano” mas não viu São João.  Ué, cadê a animação?”, perguntou-me curioso, com acentuado sotaque mineiro. Abílio saiu de Macaíba em 1971, vitima da sua própria ingenuidade. O mundo cão lhe foi cruel. E ele, uma ovelhinha da manhã, confiou demais nos códigos, nas leis e nos ditos cartoriais. 
Era casado com Adelaide, mulher bonita, beleza brejeira que descobrira em Crato e trouxe para a sua cidade. Mal desconfiava que Adelaide iria despertar nos homens, paixões descontroladas. Macaíba, perto de Natal, nunca foi tão provinciana como imaginavam ou ainda imaginam alguns.
Abílio trabalhou um tempo no Fórum local e aprendeu certos palavreados jurídicos, sentenças, que acreditava como se fossem um dogma, uma norma de ser e agir na vida. “O assassino fugiu ao flagrante do crime para depois respondê-lo em liberdade”, foi uma das aberrações jurídicas que captou e que foi a ruína do seu casamento. Acreditava piamente na faculdade da lei que privilegiava os bons antecedentes do criminoso como status para usufruto da liberdade condicional. Era o máximo: “Que avanço da legislação penal brasileira!”, gostava de elogiar.
Passados alguns meses, tomou conhecimento que sua mulher o enganava. Após algumas reflexões, decidiu usar os dispositivos da decantada lei para punir a esposa infiel e o “ricardão” malfeitor. Partiu para o flagrante. Conhecendo quem era e os antecedentes, estaria a vontade para indigitar à justiça os prevaricadores. Armou algumas armadilhas mas não deram certo. Sempre o “pé de lã” fugia ao flagrante auxiliado pela esperteza da mulher.  Você prova, você viu Abílio?”. “Não”, respondia desconsolado. E os sussurros na cidade já contabilizavam seis amantes alternativos e rotativos. Abílio enlouquecia.
 Certa vez, avisou a Adelaide que viajaria a Macau e sumiu. Nas caladas da noite foi dormir no telhado de sua casa para lavrar o jurídico flagrante e nada aconteceu. A partir daí passou a crer na inocência de Adelaide apesar dos consistentes rumores. Numa manha de quinta-feira, o juiz de Direito seu amigo, penalizado com o sofrimento e a ingenuidade do seu servidor resolveu abrir o jogo: “Abílio, transfira-se de Macaíba. O clima aqui está muito pesado. Esses boatos estão lhe destruindo”. “Estão não doutor”, respondeu Abílio com convicção. “Adelaide é honesta. Pela lei nunca a peguei em flagrante e acima de tudo tem ótimos antecedentes. Inclusive, doutor, posso culpar os acusados que nunca flagrei?  Até a polícia me forneceu todos os atestados de bom antecedentes”, concluiu com extrema benevolência.
A injusta lei do flagrante havia causado mais uma injustiça. Num sábado de 1971, Abílio e esposa partiram. No recente reencontro, arrisquei perguntar por Adelaide. “Ela me deixou. Mulher admirável. Nunca pude lhe aplicar a lei do flagrante”.

(*) Escritor

COPA DO MUNDO - RÚSSIA - 2018


QUARTAS DE FINAL



DIA 07 DE JULHO


 


SUÉCIA  0  X  2  INGLATERRA




 

(2 x 2)

RÚSSIA   3   X   4   CROÁCIA

sexta-feira, 6 de julho de 2018

"BRITO VELHO" - 90 ANOS DE EXISTÊNCIA




MANOEL DE MEDEIROS BRITO






Carlos Roberto de Miranda Gomes
(mirandagomes1939@yahoo.com.br)


O tempo normal de vida era por volta de 70 anos (Salmos 90:10). A esperança de vida depende do lugar e da época em que uma pessoa vive. De qualquer forma o excedente virá por acréscimo e por ordem de Deus, segundo o merecimento de cada um. O próprio Moisés viveu 120 anos mas isso é raro.


Pois bem, por ordem Superior o "Brito Velho" de guerra chega aos 90 anos, de uma vida intensa, direcionada para o bem comum, como paladino das boas ações.

Na condição de ex-deputado, secretário de estado e conselheiro do Tribunal de Contas do estado, o nosso homenageado é uma pessoa de trato ameno, repositório de casos emblemáticos e de "causos" folclóricos, que nos vai brindar brevemente através de livro.

Sobre Brito, diz Valério Mesquita, em um dos seus escritos:  "Certa vez, estava no interior quando veio o apelo irresistível de uma cachacinha. O seu fiel escudeiro era Raul, motorista. “Raul”, recomenda Brito, com parcimônia, “veja se encontra nesses botecos uma cachaça pelo menos razoável”. Empreendida a busca, volta Raul com a recomendação protocolar: “Doutor Brito, tem umas mas não são de boa qualidade”. Brito, sediço e aliciador, sentencia: “Seu Raul, ruim é não ter”.

Mas Manoel de Medeiros Brito é também um mediador competente, um educador consagrado, um homem dos momentos de grandes decisões, como, igualmente, um dirigente de indiscutível sucesso.

Vou economizar palavras e prefiro abraçá-lo logo mais nas comemorações e nas homenagens à sua vida, desejando que atinja a idade de Moisés.

____________________________

BRITO VELHO, NOVENTA ANOS

Valério Mesquita*

01) O ex-deputado, secretário de estado e conselheiro do Tribunal de Contas do Estado Manoel de Medeiros Brito é dono de um repertório de histórias nascidas do seu “fairplay”, “savoir vivre” e bom humor. Completou noventa primaveras semana passada. São necessários três idiomas para definir a extraordinária espirituosidade de uma vivencia tão rica de situações e fina hilariedade. O jornalista João Batista Machado que o chama de “Brito Velho”, alusão ao ex-deputado federal gaúcho, possui um longo repertório e causos e acontecências colhidos ao longo de sua vida pública.
02) Certa vez, estava no interior, quando veio o apelo irresistível de uma cachacinha. O seu fiel escudeiro era Raul, motorista. “Raul”, recomenda Brito, com parcimônia, “veja se encontra nesses botecos uma cachaça pelo menos razoável”. Empreendida a busca, volta Raul com a recomendação protocolar: “Dr. Brito, tem umas, mas não são de boa qualidade”. Brito, sediço e aliciador, sentencia: “Seu Raul, ruim é não ter”.
03) Brito é um exímio apreciador da “pinga” nordestina. Degusta o precioso líquido como se fosse um príncipe do semiárido. Como Secretário do Interior e Justiça, Brito gostava de integrar a comitiva oficial às reuniões da Sudene em Recife. E explicava ao jornalista Machadinho: “eu vou porque lá é tudo muito bom e barato”. Mas nunca perdia o paladar de uma branquinha. Na capital do frevo, encontrava sempre o amigo Raimundo Nonato Borba, chefe da Representação do Rio Grande do Norte junto à Sudene. Como é do seu hábito, arranjou-lhe logo um apelido: Borba Gato. E no trajeto do aeroporto à Sudene, do banco traseiro Brito avisava: “Borba Gato, não se descuide de parar antes num boteco para eu beber um “rabo de lagartixa”.
04) O Palácio Campo das Princesas, em Recife, era o local refinado das reuniões da Sudene para os convescotes e rega-bofes do mundo oficial do Nordeste. Num desses eventos gastronômicos, estava presente o então Secretário da Indústria e Comércio do Rio Grande do Norte, Jussier Santos. Conhecido pela sua finesse, foi logo se servindo de champignon e sugerindo a Brito para provar aquela delícia. E esse responde de bate-pronto: “Jussier, eu não como frieira”.
05) Em outro almoço, alguém da comitiva oficial do Rio Grande do Norte provoca Brito, ao avistar apetitosos camarões: “Brito, sinta o cheiro inconfundível”. Este, com aquele olhar jardinense do Seridó, corrige: “In, não. Cheiro confundível!”.
06) Numa conversa descontraída, perguntaram a Brito qual a sua definição sobre o casamento. De bate pronto, fulmina: “uma ilusão gratulatória”. De outra feita, Afonso, um dos seus motoristas da atividade oficial, recebeu dele um apelido que exprimia fielmente o significado de suas proezas de paquerador. Afonso era baixinho, entroncado, mas era querido do mulheril funcional que beirava a menopausa. E Afonso “passava” as gordinhas, mal-amadas, pernetas, num comovente “ofício de caridade”. Sabedor de suas façanhas, Brito desfechou-lhe um apelido definitivo: “Areia de Cemitério”. Come tudo.
07) Raul, foi um dos seus últimos motoristas. Em Mossoró, na residência do casal Edith/Soutinho foi servido um lauto jantar a comitiva política que visitava Mossoró. Raul, muito displicente e acanhado, perdeu o jantar que D. Edith, mulher política e sensível, fazia questão de estender aos motoristas as mesma iguarias que eram servidas aos convidados. Às 11 da noite, Brito dá o sinal de largada com retorno à Natal. No caminho, impressionado com o lauto rega-bofe, ao lado de Machadinho, indaga a Raul: “jantou bem?”. “Não senhor”, reponde o tímido motorista. “O quê? Um belo jantar desse você perdeu?”. Já em Natal, Manoel de Brito não conteve o comentário: “Raul, amigo velho, pomba mole nem no céu entra!!”. Raul aprendeu a lição.


(*) Escritor.









COPA DO MUNDO 2018 - RÚSSIA - JOGOS DE HOJE

QUARTAS DE FINAL



DIA 06 DE JULHO





 

URUGUAI   0  X  2  FRANÇA

 


BRASIL  1   X  2   BÉLGICA

___________________________________
Infelizmente não deu para o Brasil. Não tenho a reclamar a ninguém da seleção. Todos cumpriram a sua parte. O que entendo é que nos faltou tão somente o lado psicológico do orgulho pelo País, mercê, unicamente, pelo descalabro dos governantes e parlamentares, que retiram do brasileiro a esperança de uma Pátria mais republicana e ética. Vamos consertar o Brasil e tudo o mais virá por acréscimo.

OBRIGADO aos jogadores e membro do setor técnico da Seleção Canarinho. Vamos olhar para o futuro. 

quarta-feira, 4 de julho de 2018


   
Alex Gurgel

 
Curso de Fotografia passo a passo para iniciantes

Estão abertas as matrículas para o Curso Básico de Fotografia, aonde o aluno vai aprender a fazer fotos usando a luz de forma correta, além de aprender a utilizar os recursos da câmera digital. O Curso de Fotografia acontece na escola de fotografia Engenho de Fotos, localizada na Rua Laranjeiras, 14, Cidade Alta,em Natal, que fica por trás da Igreja do Galo. 
As aulas teóricas serão ministradas aos sábados, das 09h às 12h. Haverá duas aulas práticas aos domingos. No dia 4 de Agosto, a aula será pela manhã para captara luz azulada da manhã, já a aula do domingo, dia 19 de Agosto, será a tarde, aproveitando a luz quente da tarde. 
O local das aulas e horários das aulas teóricas e práticas estão no Plano de Aulas no site da escola. 
Curso de Fotografia 
De 04 AGOSTO à 1º SETEMBRO 
Sábados | 09h às 12h | Prática aos domingos 
Investimento | R$ 350 à vista ou em 3 x de R$ 130 
Informes | [84] 3211-5436 | 98896-5436 (com WhatsApp) 
Site | http://www.engenhodefotos.com/basico-sabado
Curso de Fotografia passo a passo para iniciantes

COPA DO MUNDO - RÚSSIA 2018


QUARTAS DE FINAL



DIA 06 DE JULHO





 

URUGUAI    X    FRANÇA

 


BRASIL    X    BÉLGICA

DIA 07 DE JULHO


 



SUÉCIA   X   INGLATERRA


 

RÚSSIA     X      CROÁCIA

terça-feira, 3 de julho de 2018

ROTARY CLUB DE NATAL-SUL




 O ROTARY CLUB DE NATAL-SUL, em sua plenária de hoje, recebeu a posse e transmissão do cargo de para o período 2018-2019, com a seguinte composição:

Presidente: MARCELO LOPES DA SILVA
Vice-Presidente: JOÃO BATISTA DE PAIVA (JOÃOZINHO)
1º Diretor Secretário: FRANCISCO JADIR DE FRIAS PEREIRA
2º Diretor Secretário: JOSÉ LUIZ DA ROCHA
1º Diretor Tesoureiro: JOSÉ NILTON DE SOUZA
1º Diretor de Protocolo: EXPEDITO PEREIRA MAIA
2º Diretor de Protocolo: PAULO MACÊDO

COMISSÕES:
Imagem Pública e Serviços Internacionais: PAULO MACÊDO
Subcomissão de Estratégia para Web e Mídias Sociais: MARCELO LOPES DA SILVA
Projetos Humanitários: MARIA SELMA PORPINO DE ARAÚJO
Administração e Serviços Internos: GERALDO BATISTA DE ARAÚJO
Integração com a Fundação Rotária: TEREZA NEUMA DE CASTRO DANTAS
Serviços às Novas Gerações: ARTHUR DE CASTRO DANTAS
Desenvolvimento do Quadro Associativo: AVELINO DE QUEIROGA CAVALCANTI NETO
Relações Públicas: MARIA INÊS MACIEL DANTAS

Assembleia muito prestigiada, conforme as fotos abaixo:
Perfil do novo Presidente 
 Entrega da presidência
 Tereza Neuma inicia a sessão entoando o 
Hino do Brasil e fazendo a Oração Rotária
 Rotaryanos presentes
 Rotaryanos aniversariantes do mês e dirigentes
 Mesa dos trabalhos
 Rotaryanos presentes ao evento
 Rotarianos presentes ao evento
 Selma e o Presidente Marcelo
 Rotaryanos de raiz prestigiando a festa
Outros Rotaryanos presentes


Palavras do Presidente:
Agradeço a todos do Nosso Clube pela recepção calorosa que senti na Solenidade de Transmissão de Cargo 2018-2019. Quero juntamente com a ajuda todos os companheiros, aproveitar o máximo esta gestão para fazer o melhor. Manterei as informações via whatsapp e agora via e-mail, pois estou criando um banco de dados de todos os emails do nosso clube para quando enviar a mensagem ir para todos ao mesmo tempo. Mais um vez agradeço a todos.

COPA DO MUNDO - RÚSSIA 2018

OITAVAS DE FINAL



DIA 03 DE JULHO



SUÉCIA  1  X  0  SUIÇA


  

(1  x  1)

COLÔMBIA  3  X 4  INGLATERRA