domingo, 23 de julho de 2017



IFRN sagra-se grande campeão dos JIFs Nordeste

De 18 a 23 de julho, o Centro de Formação Olímpica do Nordeste (CFO), em Fortaleza, foi palco de intensas atividades esportivas. Ali, o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), o Instituto Federal do Ceará, (IFCE) e parceiros, como o Governo do Estado, realizaram a edição 2017 dos Jogos dos Institutos Federais (Jif’s) etapa Nordeste. O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) sagrou-se como grande campeão das disputas: foram 84 medalhas e 18 troféus, nas modalidades atletismo, basquetebol, futebol, handebol, judô, natação, tênis de mesa, voleibol, vôlei de praia e xadrez. Os vencedores classificaram-se para a etapa nacional dos JIFs, que acontecem em outubro, em Poços de Calda, Minas Gerais, organizados pelo IF Sul de Minas.
O IFRN teve campeões em todas as modalidades individuais. Na natação e no judô, foi campeão geral. Já no xadrez, a equipe feminina foi campeã e  a masculina vice. O atletismo teve troféu de campeão para o masculino e de terceiro lugar para o feminino. Já no tênis de mesa, a situação foi invertida: campeão no feminino e terceiro lugar no masculino. Nas modalidades coletivas, das 11 que disputou, brigou pelo troféu de campeão em 8. No vôlei, levou o ouro em tudo: quadra e praia, masculino e feminino, com 2 sets a 0 para o IFRN em todos eles. Em uma partida super acirrada, o futebol conquistou o título de campeão sobre o IFAL nos pênaltis. As meninas e os meninos do handebol, além do basquetebol feminino, levam para casa o troféu de vice campeões.
As conquistas de 2017 bateram recorde: em 2016, por exemplo, foram 10 medalhas no Atletismo; em 2017, 16. “Essa quantidade de prêmios é resultado de muito esforço, treino e dedicação dos alunos. É, também, produto de uma política educacional voltada à formação de cidadãos. É, ainda, fruto de um trabalho desenvolvido pela gestão do Instituto, suas diretorias e campi”, disse Dário Maia, coordenador geral da Delegação do RN nos jogos. Para o reitor do Instituto, Wyllys Farkatt Tabosa, as medalhas e troféus conquistados são resultado do trabalho conjunto de alunos, gestores e servidores em geral. “Nosso objetivo é oportunizar a melhor formação possível para nossos estudantes, por isso priorizamos as ações voltadas diretamente a eles. Levar uma delegação com quase 200 atletas para os Jif’s, no Ceará, foi uma ação planejada da nossa Diretoria de Atividades Estudantis (Digae). Receber a notícia desses resultados é esplêndido”, finalizou.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Dia 21 de julho de 2017



PÁGINA  PARA  MEDITAÇÃO  


As almas quando se amam
Nem a morte as intimida,
Regressam a berço novo
E encontram-se noutra vida.

(Antonio de Castro/Chico Xavier)

Obsessão de quem ama
Ninguém consegue entendê-la,
Parece vaso de lama
Encarcerando uma estrela.

(Auta de Souza/Chico Xavier)

Conservar dedicações?
Todos estamos no mundo...
O poço cede água limpa
A quem não lhe agite o fundo.

(Chiquito de Moraes/Chico Xavier)

***

PAZ!

INÁCIO MAGALHÃES DE SENA ESTÁ HOSPITALIZADO



NOTÍCIA QUE SURPREENDEU SEUS AMIGOS - INÁCIO, O NOSSO QUERIDO "BISCO DE TAIPU" FOI HOSPITALIZADO NO HOSPITAL DO CORAÇÃO COM COMPLICAÇÕES CARDÍACAS.
ESTIVEMOS COM INÁCIO NA SEGUNDA FEIRA PASSADA E FIZEMOS ALGUMAS CENAS DE FILMAGEM, COM ASSUNTOS COMPLETAMENTE ALEATÓRIOS. DOIS DIAS DEPOIS ELE SOFREU UM AVC QUANDO ESTAVA NO BANCO SANTANDER. LEVADO ÀS PRESSAS GRAÇAS À ATENÇÃO DOS AMIGOS, PARTICULARMENTE, DE VICENTE SEREJO  E ABIMAEL SILVA, FOI IMEDIATAMENTE INTERNADO E ESTÁ SENDO MEDICADO.
AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS NÃO SÃO BOAS - ELE TEM COMPROMETIMENTO RENAL E ESTÁ COM INFECÇÃO URINÁRIA.
TODOS TORCEMOS PELA SUA RECUPERAÇÃO, POIS INÁCIO É UMA FIGURA RARA NA VIDA INTELECTUAL POTIGUAR.
HOMEM SIMPLES, SOLIDÁRIO E DE GRANDE CULTURA.
REZEMOS TODOS PELA SUA RECUPERAÇÃO.
RECENTEMENTE VEM SENDO PROJETADO PELA MÍDIA CINEMATOGRÁFICA E SUAS ENTREVISTAS ESTÃO SENDO DIVULGADAS PELO YOU TUBE.

GRANDE PERDA






21/07/17  PAULO BEZERRA (1933-2017)

É com imenso pesar que o IHGRN comunica o falecimento do sócio, o médico e escritor Paulo Bezerra, uma perda para a cultura do Rio Grande do Norte. Autor das “Cartas do sertão do Seridó”, o doutor Paulo, médico radiologista, fundador do Instituto de Radiologia de Natal, era parte integrante de uma geração de médicos e humanistas. Fazendeiro, proprietário da secular Fazenda Pinturas, da qual muito se orgulhava, guardava um vasto acervo museológico das coisas do seu sertão. Também conhecido por Paulo Balá e Paulo de Balá, como muitas vezes assinava, era um bravo cultuador e promotor das tradições sertanejas do Seridó. Natural de Acari, deixa-nos o exemplo honrado do valor que o homem deve conceder à sua terra e à sua gente. Seu exemplo é perene como as cercas de pedra do seu sertão.
Diretoria do IHGRN
Ass.Gustavo Sobral

VIVA THEREZINHA


A conheci nos idos dos anos 50, era minha vizinha da Rua Meira e Sá.
Sob o pretexto de aprender alguma coisa de italiano com o velho Rocco Rosso, fui me aproximando e, em decorrência de abrupta mudança da família dela para Belém do Pará, fiquei meio que desesperado e tive o apoio dos meus pais para ir procurá-la. Preferi marcar logo o casamento, que ocorreu em 16 de março de 1963 na capela de Santo Antônio (Belém).
Por conseguinte, minha convivência com THEREZINHA ROSSO GOMES é de 67 anos, sendo 54 de casamento. 
Com ela construímos uma bela família composta de quatro filhos (Rosa Ligia, Thereza Raquel, Carlos Rosso e Rocco José) e agora 7 netos (Lucas Antônio, Carlos Victor, Raphael Flôr, Gabriela Flôr, Maria Clara, Carlos Neto e Guilherme). Morro de inveja do meu amigo Odúlio, que já é bi-bisavô.
Convivência harmoniosa com o genro (Ernesto) e noras Valéria Ferreira e Daniela Katiúscia.
Uma casa confortável, sem luxo, um belo jardim, uns 11 gatos, duas cadelas e um cachorro visitantes permanentes.
Ela - paciente e tolerante, suporta as minhas chatices e encharques, embora reclamando, pelo que agradeço a Deus.
Me botou no mal costume de depender dela para tudo - é minha fã, enfermeira, vigilante, conselheira e amante. 
O tempo mudou tudo para melhor. À medida que vai passado, afasta a chegada da velhice indesejável - aquela que nos priva de sair e comemorar a vida.
PARABÉNS MINHA QUERIDA E FIEL COMPANHEIRA PELO SEU ANIVERSÁRIO. MUITO OBRIGADO POR TUDO.

Uma nova e impactante revelação sobre o Santo Sudário que poderia confirmar sua autenticidade

Trata-se, sem dúvidas, da peça de tecido mais estudada do mundo. Durante séculos o Santo Sudário, ou Sudário de Turim – no qual, segundo a tradição cristã, Jesus foi envolto após ser crucificado – foi objeto de investigações, teorias e escrutínio.
Ver as imagens
Esquerda: detalhe do Santo Sudário. Direita: uma imagem fotográfica do tecido. Foto: IBT Times
A última investigação conhecida, cujos resultados foram publicados na revista científica norte-americana PlosOne, sustenta a teoria de que o tecido usado como mortalha funerária é verdadeiro.
Elvio Carlino, pesquisador do Instituto de Cristalografia de Bari, na Itália, disse que a peça de três metros de comprimento por um de largura, com uma imagem ligeiramente manchada de um homem que, para os cristãos, representa Jesus, contém minúsculas partículas que revelam um “grande sofrimento” de uma vítima “envolta na mortalha funerária”.
Estas partículas tinham uma “estrutura, tamanho e distribuição peculiares”, acrescentou Giulio Fanti, professor da Universidade de Pádua.

Ver as imagens - Sudário de Turim. Foto de AP 

Em um artigo intitulado “Nova evidência biológica dos estudos de resolução atômica no Sudário de Turim”, os pesquisadores afirmam que o sangue no tecido continha altos níveis de creatinina e ferritina, substâncias encontradas em pacientes que sofrem fortes traumas, como a tortura. 
“Estas descobertas só puderam ser reveladas pelos métodos desenvolvidos recentemente no campo da microscopia eletrônica,” esclareceu Elvio. 
Ele disse que a investigação marcou o primeiro estudo “das propriedades em nano-escala de uma fibra pura extraída do Manto de Turim”.
A análise foi realizada pelo Instituto Oficial de Materiais em Trieste e pelo Instituto de Cristalografia de Bari, ambos sob a liderança do Conselho Nacional de Pesquisa da Itália, bem como do Departamento de Engenharia Industrial da Universidade de Pádua.
Investigações anteriores asseguravam que o tecido era mais recente – da época medieval – e que a imagem havia sido criada por falsificadores. O fato de que o mesmo está manchado de sangue já é considerado incontestável. 
Fanti, um dos estudiosos do sudário, acreditava que a imagem representada na mortalha poderia ter sido resultado de uma explosão de “energia radiante”, como luz ultravioleta, raios X ou correntes de partículas que emanam do próprio corpo humano.
O sudário está atualmente em exibição na Catedral de São João Batista em Turim, na Itália. Durante uma visita à cidade em 2015, o Papa Francisco fez uma pausa e uma oração silenciosa diante do Santo Sudário.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

MENSAGEM DE PAZ


PÁGINA  PARA  MEDITAÇÃO 


Erros de amor?  Silencia.
Resguarde-te o verbo mudo.
Porque, em matéria de amor,
Somente Deus sabe tudo.

(Antonio Martins/Chico Xavier)

Na fonte eterna do amor,
A força em que Deus nos cria,
Todos os vermes do charco
Hão de ser anjos um dia...

(Américo Falcão/Chico Xavier)

O amor,  -  essência dos Céus,  -
Tão só no amor se resume.
Pode surgir em  mil formas
Que é sempre o mesmo perfume.

(Oscar Batista/Chico Xavier)

***

PAZ!

domingo, 16 de julho de 2017

sábado, 15 de julho de 2017

AFC

FLAGRANTES DA FESTA DO AMÉRICA
102 ANOS
14-JULHO-2017


 BANDA DE MÚSICA DA POLÍCIA MILITAR EXECUTA O HINO NACIONAL, O HINO DO AMÉRICA E A MARCHA DOS PARABÉNS AO CLUBE ANIVERSARIANTE


MISSA EM AÇÃO DE GRAÇAS PELOS 102 ANOS


DIRETORIA E CONSELHEIROS


HORA DAS HOMENAGENS SOB O COMANDO DO PRESIDENTE JOSÉ ROCHA
 VISTA DO AUDITÓRIO





BERILO DE CASTRO escreveu:

O América FC que convivi

Neste ano de 2017, em 14 de julho, o América FC completa 102 anos.
Já fiz referências ao querido clube rubro em alguns artigos publicados, inclusive, nos meus livros editados. No entanto, gostaria de contar a minha convivência como admirador/torcedor e atleta, vestindo a sua camisa nos anos de 1967, quando levantamos a Taça de Campeão do certame da cidade.
Na década de 1950, menino/moleque, habitante do bairro do Tirol, fui ativamente frequentador da sua sede/campo, na avenida Rodrigues Alves, melhor dizendo, de todo o quarteirão da região, abrangendo as ruas:  Maxaranguape, Ceará-Mirim e Campos Sales. Que beleza! Que riqueza! Que patrimônio!
Vivi todos os seus momentos, treinos, jogos, concentrações. Compartilhava sempre com  as  conhecidas e admiradas caminhadas com os jogadores nos dias ou nas noites de jogos até o Estádio Juvenal Lamartine.
Era tudo que a meninada queria. Era o sonho realizado!                                                    
Admirava, achava  bonito e ficava curioso com aquele óleo brilhoso que se distribuía nas pernas dos jogadores, decorrentes das massagens que recebiam antes das jogos.
Tudo era novo e empolgante. Conhecia nominalmente todos os seus jogadores, fossem eles do time titular ou de aspirantes.
Recordo e declino um dos seus melhores times, que vi jogar ( na da década de 1950): Gerim, Artêmio e Barbosa (Cuica); Euclimar, Renato e Dico; Gilvan, Juarez (Pedro Dieb), Saquinho, Wallace e Gilvandro. Time campeão!
Na esteira da história, lembro do time juvenil comandado pelos abnegados, Lelé Galvão e Lu, que contava com um bom lateral esquerdo, que não gostava de acordar cedo para treinar, Nei Leandro, meu irmão; Ilo, irmão de Véscio; o bom goleiro Castilho e tantos outros futuros promissores atletas, que não deram sequência ao bom futebol que praticavam.
No ano de 1959, o América pede afastamento temporário do certame oficial da cidade para construir a sua sede social, só retornando seis anos depois, em 1966.
Com a sua ausência, fez surgir e crescer aquele que representava a terceira força do futebol potiguar: o  Alecrim FC.
Foi exatamente nesse vácuo de tempo que  ingressei no time esmeraldino, quando fiz o meu primeiro contrato como profissional de futebol, com apenas dezoito anos de idade.
Durante os cinco anos da ausência do América, o Alecrim substituiu e cumpriu à altura  a missão de afastar o seu ferrenho adversário, o ABC FC, de conquistas de títulos; o que veio  acontecer nos anos de 1963 e 1964. Fez e muito bem o seu dever de casa.
Em 1966, volta o América; inicia aí a sua nova etapa de reestruturação da equipe. Não chega a disputar o título da cidade. Perde o campeonato.
No ano seguinte, 1967, a diretoria e a comissão técnica formam  uma excelente equipe e voltam com força à caça de títulos.
Estava eu, já afastado do futebol desde quando perdi o tricampeonato em 1965; não mais pensava em voltar ao gramado, uma vez que não havia tempo para conciliar o futebol com os estudos médicos. Mesmo assim, diante de muita insistência do amigo/treinador Osiel Lago, ex-companheiro do Alecrim no bicampeonato de 63/64, aceitei o convite.              
No meu imaginário sonho como jogador de futebol, sentia que estava faltando ainda a concretização de um feito que me consagraria na  minha vida como jogador profissional de futebol: o título com a camisa rubra, time que escolhi de coração, quando ainda criança para torcer e admirar.
E tudo aconteceu como havia sonhado. Encerrava ali, há 50 anos (1967), numa quente noite de uma quarta-feira, no histórico  Estádio Juvenal Lamartine lotado, a minha curta e vitoriosa história como jogador de futebol, vestido de vermelho e branco. Que honra! Que prazer! Que alegria!

Parabéns, América FC, pelos seus gloriosos 102 anos. Avante, América!
__________________

HOJE, 14 de julho, o América festejou os seus 102 anos, com uma missa e entrega de lembranças aos antigos atletas, conselheiros e servidores:

sexta-feira, 14 de julho de 2017

102 ANOS DO GLORIOSO AMÉRICA FUTEBOL CLUBE


Fundação do América Foot Ball Club
e fundadores

Apesar dos precários registros documentais, é absolutamente exato que o clube foi fundado no dia 14 de julho de 1915, feriado nacional comemorativo da “Queda da Bastilha”, na França, fato ocorrido ironicamente na residência do Desembargador Joaquim Homem de Siqueira Cavalcanti (não apreciava futebol), situada na Rua Vigário Bartolomeu, possivelmente nº 565, antiga Rua da Palha na Cidade Alta, precisamente em uma dependência onde ocupavam os irmãos Carlos e Oscar, que dava para o Beco da Lama, depois Rua Vaz Gondim (há indicações dos nºs  598 e 600) e hoje Rua Professor José Ivo, onde se reuniram 15 desportistas. Hoje o imóvel não tem mais fundos para o Beco da Lama, pois foi vendida uma parte para loja que fica na Rua Ulisses Caldas, esquina com o Beco).

O novo clube recebeu inicialmente o nome de América Foot Ball Club, expressão inglesa muito em voga, quinze dias depois da fundação do ABC que, no futuro, tornar-se-ia o seu principal adversário.

Acrescente-se, por oportuno, que antes da data da fundação oficial houve uma reunião preparatória realizada informalmente no dia 11 de julho na residência do Senhor Manoel Coelho de Souza (Inspetor da Alfândega), localizada à Rua Nova, que contemporaneamente recebeu o nome de Av. Rio Branco, local onde posteriormente funcionou, por muito tempo, a Livraria Universitária. Foi nessa reunião preliminar que se aprazou a fundação oficial para o dia 14, por ser feriado nacional. (Informações colhidas de depoimentos que afirmam ter sido declaração do Doutor Oscar Siqueira). Contudo, tendo por base declarações do grande desportista e americano Gil Soares, nessa fundação teriam comparecido 27 jovens nas dependências onde servia de sala de estudos dos irmãos Coelho, inclusive Manoel Coelho Filho teria participado da primeira diretoria presidida por Getúlio Soares.

Deduz-se, que em razão dos comparecimentos às duas reuniões, sendo parte na primeira e outros na data da fundação, tenham surgido as discrepâncias no número de fundadores.

Segundo defendeu Gil Soares, os fundadores teriam sido em número de 27, todos jovens idealistas, entre os quais alguns membros da família Siqueira, embora outros depoimentos falem em apenas 15 rapazes entusiastas. Na relação apresentada em seguida existe um número maior chegando até 38 fundadores como argumenta Everaldo Lopes em seu livro antes referido. Entretanto, é possível que pela repetição de nomes, alguns que figuram como pessoas distintas, devam ser as mesmas com patronímico incompleto ou truncado. Fazemos o registro de todos os nomes que conseguimos coligir em informações, livros, entrevistas e artigos consultados.

  Podemos considerar como seus fundadores, presentes alternadamente nas duas ou mais reuniões, os desportistas Getúlio Soares Ferreira (este escolhido como Primeiro Presidente efetivo), ao lado de Lauro de Andrade Lustosa, Carlos Homem de Siqueira, Oscar Homem de Siqueira, Manoel Coelho de Souza Filho, Napoleão Soares Ferreira, Carlos Fernandes Barros, Clóvis Fernandes Barros, José Lopes Teixeira, Francisco Lopes Teixeira, Antônio Trigueiro, Edgar Brito, Aguinaldo Tinôco, Mário Monteiro, Francisco dos Reis Lisboa, Augusto Servita Pereira de Brito (Bigusto) e José Fernandes de Oliveira (Lélio Fernandes). Outros nomes registrados em entrevistas e escritos diversos optam por uma segunda versão acrescentando os nomes de: Abel Viana, Antônio Braga Filho, Antonio da Rocha e Silva (Bidó), Aníbal Ataliba, Aguinaldo Câmara, Armando da Cunha Pinheiro, Caetano Soares Ferreira, José Artur dos Reis Lisboa, Carlos de Laet, Francisco Lopes de Freitas (primeiro Presidente provisório), e que acreditamos ser o mesmo Francisco Lopes Teixeira (mencionado em outra lista). Aguinaldo Fernandes, Arary da Silva, Clodoaldo Bakker, Clínio Benfica, Francisco Pereira de Paula (Canela de Ferro), João Batista Foster Gomes da Silva, José Aragão, Luciano Garcia e Sidrack Caldas. Em terceira versão do Tabelião Miguel Leandro alega que não foram relacionados dois participantes da fundação: Euclides Oliveira e Joaquim Revoredo, pois não figuraram nas relações de Carlos Barros e Oscar Siqueira.



terça-feira, 11 de julho de 2017

PÁGINA  PARA  MEDITAÇÃO  NO  DIA  11.07.2017

Seja firme em todas as circunstâncias.
Mas,  chega  um momento em  que  você pensa:
Perdi o meu emprego...
Perdi os meus parentes...
Perdi os meus amigos...
Perdi o meu dinheiro...
Você fica a refletir sobre isto.  Acha  que perdeu
muita coisa.
No entanto, se não perdeu a confiança em Deus,
você  não  perdeu  a  paz,  o  maior  tesouro  que
alguém pode ter.
Pense  nisso  e  sinta  como  tudo é insignificante
perante a sua paz, que procede de Deus.

                                      Lourival  Lopes

PAZ!

______________
Colaboração de Ana Paula

GRATIDÃO
 
                                   “Vendo que me levou tanto tempo aprender
                                                que eu nada sabia, descartei-me também do orgulho.”
                                                                              - Edwin Seaver - 
 
A vós, Senhor, toda gratidão.
 
Se no século por vezes sou negado
e não obtendo o que quero
pareço insultado
 
tal juízo é mera sequência
da estreita via de minha pouca ciência.
 
Vós, contudo
sabeis mais
sabeis tudo
 
sabeis, portanto
o que me convém e melhor
me pode encantar.
 
Quanto a mim, Senhor
qual a instância de meu vago saber?
O que sei eu
a não ser algo
do amor e da beleza?
 
                                   (Horácio Paiva)    

quinta-feira, 6 de julho de 2017

VALÉRIO HOMENAGEIA TICIANO


RELEMBRANDO TICIANO DUARTE



Valério Mesquita*




Certos homens adquirem uma visibilidade tão marcante em seu campo de atuação que se tornam imprescindíveis aos seus contemporâneos, na medida em que suas opiniões e convicções passam a determinar modos de ver e de interpretar os acontecimentos da vida social, política e cultural. É que aos olhos deles nada daquilo que importa passa ao largo.

Assim vejo e identifico o meu primo-irmão Ticiano Duarte. Desde a antiga Rua 13 de Maio, depois Princesa Isabel, quando o conheci efetivamente e melhor, lá pelos idos de 1950. De 1954 em diante fui revê-lo na rua Voluntários da Pátria, nº 722, Cidade Alta, telefone 2901. Ele era já expressão do “batepapo” no Grande Ponto, seu fiel ancoradouro, onde se tornara notário público e destemido navegante das ruas e avenidas da política potiguar. Bacharel em Direito da Faculdade de Maceió, tornou-se decano do jornalismo da imprensa potiguar, atividade da qual desfrutou de ilibada notoriedade por sua isenção e imparcialidade nos juízos dos acontecimentos da política. Seu memorialismo ganhava ritmo de crônica e embasamento de historiador. Em seus escritos é possível intuir aquele saber de experiências, traço que distingue o verdadeiro homem de visão de um mero prestidigitador de quimeras.

Foi presença fecunda na imprensa norte-rio-grandense. A colaboração de Ticiano Duarte para a Tribuna do Norte rendeu, numa primeira seleção, o livro “Anotações do meu caderno” (Z Comunicação/Sebo Vermelho, 2000), reunindo os principais fatos políticos dos últimos 70 anos do século passado no Rio Grande do Norte. A precisão das análises, a escolha dos protagonistas,

a evolução dos acontecimentos e o retrospecto dos episódios que marcaram profundamente as vicissitudes da política potiguar encontraram ali o seu cronista mais atento e informado, criterioso e verdadeiro. Nesse livro, objetivamente intitulado “No chão dos perrés e pelabuchos”, avultam as mesmas qualidades que consagraram “Anotações do meu caderno”, com a única diferença de que agora ele se deteve com mais vagar na descrição de perfis e na análise comparativa dos fatos, mesmo separados por décadas. Vultos inesquecíveis da vida pública estadual, como Djalma Maranhão, Georgino Avelino, Café Filho, Aluízio Alves, Odilon Ribeiro Coutinho (“mistura de tabajara e potiguar”), Tales Ramalho (“paraibano por acidente, norte-rio-grandense pelas grandes ligações familiares, e pernambucano por adoção”) são algumas das estrelas de primeira grandeza dessa constelação de escol. Cronista, para quem a política não pode se dissociar da ética, sob pena de naufragar nos desmandos de governantes e correligionários, Ticiano fez o elogio dos políticos exemplares perfilando a figura de Café Filho em toda a sua trajetória. Ao fazer o elogio da lealdade e da coerência, ele retirou do limbo o nome de Walfredo Gurgel, ressaltando que “o seu governo foi um exemplo de seriedade no trato e na gestão da coisa pública. Todo o Rio Grande do Norte sabe desta irrefutável verdade e nem mesmo seus adversários podem omiti-la, por mais que o tenham combatido no campo das diferenças partidárias”.

Em “No chão dos perrés e pelabuchos” Ticiano encontrou silhuetas de políticos esquecidos pela história, mas preservados, por exemplo, numa Acta Diurna de Luís da Câmara Cascudo, como Hermógenes José Barbosa Tinoco, deputado do Partido Liberal que a voragem do tempo soterrou; os entreveros entre pelabuchos e perrés que incendiaram o paiol das agremiações políticas dos anos trinta, que não escaparam à argúcia focada pelo memorialista.

Ele propõe e reforça as teses daqueles que defendem a necessidade de uma urgente reforma política a fim de repor o país nos trilhos da ética e inaugurar uma nova era política de honestidade e honradez. O seu viver espelha na obra que escreveu a lucidez dos seus testemunhos de luta.

(*) Escritor

quarta-feira, 5 de julho de 2017

A ENTREVISTA


Estimados Amigos,

Na entrevista que concedi a Augusto Maranhão, reproduzida neste Blog, cometi alguns enganos e omissões, como soe acontecer nas coisas de improviso, do que agora me penitencio:

1. Ao falar da ida de papai para o interior e feita a distribuição dos filhos nas casas dos parentes, esqueci de Fernando, que ficou na casa de Paié;
2. Quando relatei que D. Rosa, mãe de Thereza ficou hospedada com Dona Georgina, fiz a localização errada ao dizer que era vizinha da Santa Cruz da Bica. Na verdade era vizinha do Cruzeiro defronte à Igreja do Rosário dos Pretos;
3. Na indicação da idade de mamãe ao casar, retifico para 15 anos em não 14;
4. Na referência do rio que banha Macaíba me engasguei com a palavra "assoreamento".
5. O livro "Amor de Verão" tem as gravuras feitas pelo meu neto Carlos Victor.

Obrigado pela atenção de todos.

terça-feira, 4 de julho de 2017

CONVERSANDO COM AUGUSTO MARANHÃO


Teje preso, teje solto

Berilo de Castro, médico e escritor

Nós estamos servindo de bestas e  babacas diante de tantas e outras tantas manobras circenses neste país de grandes manobras escusas.
Por um lado as benditas Operações deflagradas pela Polícia Federal, trazendo à tona os legítimos responsáveis pela corrupção instalada em nossas barbas, nesses últimos quinze anos, pelos partidos políticos, tendo à frente, o que tem o nome de Partido dos Trabalhadores. Vejam só!

Convivemos e muito bem, com as legítimas investigações, conhecendo nominalmente os verdadeiros corruptores - as nossas grandes empresas privadas - JBS, Odrebech, OAS, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e outras  de menores portes.
O Ministério Público e a Polícia Federal têm cumprido muito bem os seus papéis, apontando, dando os nomes e mandando prender os delinquentes envolvidos.
Por outro, o poder maior do judiciário - o Superior Tribunal Federal ( STF) com seus ministros não tem bem entendido a conduta do MP e da PF.
Um lado prende o outro solta. Não é uma brincadeira?
Exemplo melhor e bem palpável, foi um deputado federal flagrado carregando uma mala cheia, com quinhentos mil reais, pura e  legítima propina, tudo filmado e documentado. O delinquente é preso pela PF com respaldo do MP. Não demora muito, o ministro do STF manda soltar; não é uma brincadeira?
Estamos vivenciando além de toda essa desgraça da corrupção corroendo nossa nação, estamos também presenciando uma grande briga de ego, de disputa pessoal e de muita arrogância.
Acham pouco?
Teje preso, teje solto!